9 de fevereiro de 2011

Momento íntimo

Os lábios insistem, o beijo acontece. Mesmo a boca dizendo não, o peito acelera, e busca no ar um interesse para se conectar com o apaixonado, aquela pessoa que vem embrulhada com laço. Dessa forma não há pele que resista, logo se arepia. E na mente do apaixonado uma metamorfose flui, teias são retiradas, é como se o sol do meio dia nascesse. Nesse cenário o que prevalece é a loucura total, e seja lá o que for; tudo coopera para o ingrediente do amor.
E se ama tanto pra valer, se perde no sentido do querer, o cuidado passa longe, as mãos agarram como se a vida dependece disso, como se faltace o fôledo. Lençóis se tornam armadura. O colchão o campo de batalha dos corpos que se entregam, que se unem. No céus do  quarto uma frase - "O apaixomante, o elo e a virtude, se derramam como copo cheio, água limpa, semente em terra fértil" - E as horas passam, os minutos num estalar de dedos. Os dois seres estão saciados, da paixão, do carinho. Os dois. O sono vem. Os olhos de ambos se fecham. O sonho começa novamente.