3 de fevereiro de 2011

E seremos um.

Ninguém anda sozinho por muito tempo, não se ver, não se tem, não há. Nunca ficaremos no mesmo lugar. Sempre em constante movimento caminhamos com chinelos velhos, pois quem precisa de sapatos novos em meio ao deserto! O sol que castiga a pele não deixa a matéria parada, faz com que ela procure sombra e água fresca. O ser caminha, o coração acelera. o ser respira, as mãos soam. Os dedos doem, o remédio falta. A pele arrepia, a sensação aparece. Uma atitude liga a outra, uma decisão interfere na outra. Toca-se aqui e ouve-se lá. Uma troca de favor, uma ligação e satisfação, um encontro com o acontecer e motivação bem elaborada. Não se pode correr sozinho, que graça tem em chegar no final e não ter ninguém pra aplaudir? Essa vida é feita de encontros, de elos, de alianças construidas em tempo de guerra, de cordas bem amarradas, de correntes de aço, e punho de ferro. Se permanecermos unidos não nos quebraremos. Ficaremos posicionados no agora, e lá no futuro levantaremos fortalezas.
Ninguém monta quebra-cabeças por muito tempo, por maior que ele seja, em determinado momento terminamos de montá-lo, e se estivermos sozinho pra quem mostraremos? Não terá graça!
Hoje é o um dia de andarmos juntos, de captarmos juntos a sintonia da companhia que liga a alma, que passei na praça do contentamento. E seremos um. E seremos eu e você, amigo. Não construa pontes sem objetivos, não crie alianças se não será fiel em tempo presente. Não faça ligações se não for falar tim-tim por tim-tim. E seremos um à medida que andarmos um do lado do outro, no romance, na voz, na canção da vida. Seremos um quando enxergares a dimensão da minha fome, da minha necessidade. seremos um quando nossas mãos estiverem bem aquecidas, no jardim, nas estrelas. E com certeza seremos um, quando o teu cheiro encontrar minha fragrância, e em uma dança permanecerem ligados, durante um instante, uma noite, uma eternidade.
Unidos edificaremos altos murros, concreto de paz, blocos de esperança. Projeto escrito, nas páginas do céu, para que o dedo humano não apague. Unidos na lágrima, quando o reservatório do ser explodi, e o lenço chega a hora certa para controlar o vazamento contínuo, do sufoco.
Não precisas caminhar sozinho, não precisas carregar teus fardos sozinhos. Abraço sem ninguém do lado não é abraço, tente entender. Precisas de "mim", precisas das pessoas ao teu lado, e permanecer sozinho apenas engrossará a solidão que coroe sem reservas o molde dos teus sentimentos mais nobres, do teu sorriso.
VEM,  minha mão está estendida pra ti, há esperança. Deixa eu te mostrar a saída. ainda dá tempo!
E nunca mais andaras sozinho, contra o vento, com as ondas. Não se conquista um coração sozinho...