4 de março de 2011

Evaporou a timidez contida, a solidão constante, o sopro da voz enganosa.
Já se foi o que nunca permaneceu, a língua.
As frases desenhadas no esboço do " Um dia quero te ter".