18 de abril de 2011

Por vezes sinto-me resfriado pelo silêncio de tuas pálpebras e desço a escada olhando pra baixo, descendo nesse sentido me diminuo; não sou mais o grande nem muito menos o aparente. Sou a chama de uma pequena e incomum vela, uma vela que no escuro dos dilemas faz toda a diferença – Deixo-me apagar pelo ar dos teus lábios.