5 de abril de 2011

Ela era o oposto do sono tranquilo. 
                                                         O calabolço recém inaugurado.
                                    A pedra certeira.

 

Uma floresta se erguia dentro do seu ser, mistériosa fundia realidade com ficção, seu rosto era a escrita, suas mãos a destruição!
 

[Ela era o meu veneno...]