5 de abril de 2011

Na medida dos olhos.

...Eu sei que me notavas ao redor do teu muro de pedras, do teu muro de argumentos.
 E me conduzia com tua visão, me media.
De lá de cima me avistava, ouvia as batidas do órgão que pulsa incansavelmente.
Percebeu-se então que eu demostrava interesse na dimensão das tuas piscadas, dos leitos que deslizavão sobre teus lábios, da boca que pedia um singelo beijo.
Era uma salvação tudo aquilo, o sagrado era característico do afago que demostravas através da captura, entre meu olhar e o teu olhar.
Uma digna e surpreendente maneira de começar o amor...