18 de setembro de 2010

O ser Pequeno!

Num pedacinho da existência, vive um pequeno ser

Já está formado, já está bem regado.

Neste pedacinho de solo ausente de companheirismo ele cresce,

se fortifica, se abastece de nutrientes sadio para a consciência.



O pequeno ser é carente, é solitário,

mas tem uma excelente maneira de amar, de demonstrar seus sentimentos mais acesos.

Ninguém conhece o ser pequeno, nem o pequeno ser conhece o mundo.

Ele espera por uma mão amiga, por um abraço camarada, por uma risada.



O pequeno ser já aprendeu a conviver com o grão de areia,

Com a pequena medida, com a pequena porção que faz feliz a Alma,

o coração acelerado.

O único bem que ele possui é a esperança de amar mais um pouco e ser retribuindo

de forma singela e graciosa.



Num pedacinho em construção, ele se esconde, se guarda sabendo que mais cedo ou mais tarde

ele terá que se mostrar.

No grão de areia, num grão de poeira, ele habita, continua alimentado seus medos.

Mais no fundo, no fundo ele é feliz, pois aprendeu a viver com o pouco.

E de modo zeloso se esforça pra cumprir seu pequeno chamado.