22 de setembro de 2010

Carta de Caíque – 08 anos



“No meio da favela, no meio dos esquecidos pela sociedade e governantes. Entre os numerosos barracos de madeira e concreto, ainda a um ser pequeno, ainda a um sonho, ainda a uma prece oferecida aos céus.”



Querido Papai Noel
Sei que virá hoje, pois o natal chegou. Mamãe falou que o senhor visita a gente, bem que o senhor poderia aparecer pra mim, quando eu estiver acordado.
Tenho tanta coisa pra pedir.
Quero um vestido pra mamãe, ela trabalha muito, ela é diarista, e quase não sobra dinheiro pra ela compra roupa nova para sí. Quero uma mesa cheia de coisas gostosas, para eu comer bastante. O senhor sabe que não tem quase nada aqui.
Quero que o senhor venha trazer brinquedos novos para o meu irmão, pois o papai dele nunca trouxe nada pra ele, nem sei se ele existe.
Eu não quero muita coisa papai noel, apenas pegar na sua mão e andar no seu trenó, deve ter muitos presentes lá... né
sei que você vai vim...
Que papai do céu te guarde.

Um Abraço,
                    Caíque - Morro do Pavãozinho - Rio de Janeiro