27 de outubro de 2010

Um ser mutável

-Somos um Povo de Raça, e de Fé. - Ferber, Ludmila.



Não somos iguais e nunca seremos, caminhamos e basta um pousar de um pássaro com cores diferenciadas e de plumagem sem igual que nos distraímos, e como uma melodia pausamos o andamento da canção. Mudamos de mais, erramos demais, julgamos demais e o que aprendemos, não passa de farrapos, essa é a verdade, absoluta verdade.
Esquecemos que nos fragmentos insignificantes é gerado o momento marcante, que trás alegria ao olhar e ao coração saltitante, e pulamos pra fora nos agarrando ao arrogante e esnobe, perdendo a inocência infantil lançando-nos ao adulto, e pelo fato de sermos adulto perdemos a capacidade de crer no imaginável, nos sonhos impossíveis que só cabe na nossa pequena cabeça de criança.
Queremos calor, queremos frio, queremos o inatingível, queremos o palpável, queremos tanta coisa.
Ser rico, ter carros, ter muito dinheiro, fama, negócios, palestras, consumir... consumir e consumir;
Eu mudo com o passar do tempo, você que ler muda da mesma forma, não se culpe por isso, nós seres humanos fomos moldados desse jeito imperfeito de ser, e por mais que lutamos contra isso nunca, nem em milhares de anos seremos perfeitos! Nunca! Jamais!
Somos seres em constante aprendizado, há dias em que se ama mais, há outros que odiamos exageradamente; guerra, paz, doença, saúde, nada está nivelado, nada está certo, há uma confusão de pontos de vista, do verdadeiro, do errôneo. Observamos que nada está bom para nós mesmos que concluímos que somos melhores, que temos mais poder e autoridade sobre o indefeso, e sobre o ser humilde que precisa de ajuda para tomar suas próprias decisões.
Que tolice pensarmos dessa forma, não somos nada, não temos nada, tudo é passageiro, momentâneo, mutável. Até quando vamos cair no mesmo erro? Até quando vamos dar voltas no mesmo lugar? Pare de ser besta, ridículo, ser mutável, ser que veio do pó, do nada, ser que veio do chão, do vale da criação. Quando você der por conta será tarde demais, perderá o amor, perderá a capacidade de enxugar a lágrima do que chora oceanos, o teu ouvido jamais ouvirá a real necessidade do coração esquecido no abandono, da voz que grita pelos morros, nas favelas.
Sabe de uma coisa? É bom mesmo que temos que passar pela fase imperfeita, quem sabe aprendemos que dividir o pão com o corrupto aumentará a impunidade e fará cega a justiça da viúva e do órfão. Nem que fossemos punidos com cem chibatadas como e feito em países Islâmicos mudaremos. Nem que Tsumanis invadam nossos litorais mudaremos para melhor, permaneceremos cruéis com nós mesmos. Mais aqui vai um apelo...

Lute para que o cenário mude, avance para que as conquistas de espírito nobre triunfem sobre o egoísmo acelerado, marche rumo à mudança, pois somos Brasileiros, filhos de Deus e não desistimos Nunca.
Continue sua mudança! Ser de alma mutável!