9 de outubro de 2010

As folhas estão caindo, uma à uma. O tempo passa né!
As feridas se catrizam, e o que ficam são marcas. Eu não quero marcas em mim.
Os ferrolhos se destrancam, a porta se abre. É necessário passar para o outro lado.
agulhadas ajudam o tecido rasgado a se juntar novamente, porém é notório que já houve som de corte em suas fibras.
Caminho, paro, penso... Muita coisa é Ilusão!