15 de maio de 2011

Veio sobre mim um elogio arrebatador, de carisma ímpar, um refúgio transparente ao olhos teus.
Como não caio em qualquer ladainha, eu absorvo a sinceridade por menor que la venha ser, e acredito no sorriso.
Eu precisava naquele instante demais de mim, a ficha tinha que cair; que pela primeira vez o coração do menino estava alegre de fato, aproximadamente no ocorrido, o elogio.

O elogio veio como carta endereçada ao meu olhar, como rugido de leão, como comportamento acelerado, então o menino que de fato era gritou: Seja Bem-vindo! - O Elogio assentou-se no sofá, na lareira do aconhego, onde tudo era muito quente, muito feliz... e de fato pela primeira vez era.