26 de maio de 2011

E são esses dias que me acordam  pelas manhãs, e os gritos do peito agitam-me de tal modo que acredito estar vivo por alguma razão.


 E esse desprendimento de ações divulgam em mim uma reflexão já vivida em outro pesadelos, em outros abraços.


Na imensidão de gotas, o meu copo é salvação, o meu copo é absolutamente necessário!