21 de maio de 2011

...em muitos e longos traços a vaidade é alongada, não digo plenamente em questão da fantasia, expressamente afasto com minhas fábulas a demora prevista em dizeres cansativos que me trazem a memória uma lembrança boa, uma gota capaz de matar a sede.
Busco-me em mim mesmo e não entendo o porque de tanta coisa guardada, de tantos móveis empoeirados, de tanta roupa suja. Admiro-me por idiotice, sou eu mesmo que bagunço tudo...