1 de agosto de 2011

O vapor...



Em uma manhã qualquer, em um suspiro altivo, no vapor da xícara de chá estava a espera.
A ansiedade dominava os dedos das mãos dela, mais precisamente do coração. 
Sua procura era por um fato, e nesse elo com o vapor da xícara as lágrimas caíam, o seu dia chorava.
É impossível saber o que ela sentia, de seus lábios nada saia, talvez se eu fosse a xícara, que ao tocar, em seus lábios, saberia claramente a dose amarga de seu ser. A dose que a neutralizava. Saberia o valor da distância. O valor da manhã.
Só Deus sabe o quando eu queria  que secassem suas lágrimas. Quanto eu queria ser o guardanapo daquela mesa, daquele coração.




.