4 de novembro de 2011




Fundi-me em circunstâncias incomuns, em ventos inodoros capazes de secar meu interior adormecido pela procura inexistente. Algema minha.
Um mergulho emergencial capaz de limpar completamente minha corrente sanguínea, a raiz fundamental. Fôlego azul.
 Vergonhosamente a face contempla o existente, a ligação.
O útero preciso da imaginação, ao criar tua respiração, eu existi, eu era a existência, eu era o caminho a seguir...