29 de janeiro de 2013

Minuciosamente...





















Uma ressonância de sentimentos que aos poucos foi se diluindo com a água e açúcar de um copo em cima da mesa, que outrora foi dividido o pouco de carinho presenciado e apresentado na proposta de ser ter pra sempre a presença um do outro. Não foi isso que aconteceu. A mística do encantamento de se ter um ao outro foi se acabando minuciosamente, é coisa que a gente não percebe.
A pele esfria, a textura do toque dos dedos não se arrisca, tornando-se um descascar de tinta envelhecida de paredes que presenciaram os nossos afetos mais íntimos, observação que a escuridão do quarto guarda a sete chaves. Sabemos até que ponto é vivência arriscada ou é pura vontade de não emprestar o lençol.