11 de maio de 2013

Opus #11





























Torno-me apreendido pelos ventos de cor azul-marinho que fluem da sutiliza de tua devoção, do encontro do perdido com o encontrado, e me canalizo em uma só atitude, a de voltar a te abraçar nos cenários gélidos e que em contato com teu corpo, o calor que emana de ti, perseguiu minhas trevas e as extinguiu velozmente, me ligando, me liberando.