30 de outubro de 2012

No preparo do nosso nome






























Então, concluíamos que o sagrado é o repouso predileto, e a ausência do medo que procrastina a alma vivente, ser sagrado nos confessa com o proposital, faz com que o dialogo de nossa língua divulgue o bem, e a lanterna do nosso peito aberto ganhe aspectos de farol, sagrado meu, luz minha. O sagrado predestinado nos garante o reflexo aparente de que realmente nós somos, de quem seremos na eternidade, no berço do nascer de novo, no preparo do nosso nome, na estratégia do hoje na manhã do terceiro dia.